A Vida em Equilíbrio

A Vida em Equilíbrio – Aprenda Como Equilibrar-se

A Vida em Equilíbrio

A Vida em Equilíbrio

Alguns incidentes durante a nossa infância deixam impressões muito profundas. Alguns de nós sentimos que a vida é semelhante. Achar nosso equilíbrio interno enquanto vivemos entre diversos extremos, como um equilibrista na corda bamba, pode ser precário. Pode criar uma enorme tensão.

Vivemos num mundo de dualidades e a todo o momento temos de tomar decisões sobre onde ficarmos entre tantos extremos. Eu devo tolerar a situação em silêncio ou devo enfrentá-la expressando como realmente me sinto? Será que estou partindo de um ponto de autorrespeito ou simplesmente estou sendo arrogante? Estou sendo egoísta ou sensato ao importar-me com minhas próprias necessidades?

Quando devo deixar que as coisas aconteçam e quando devo forçar o que eu desejo? A filosofia taoísta expressa esses dilemas no seu milenar símbolo “Yin Yang”. Praticamente a todo segundo enfrentamos a dualidade dos opostos. Infelizmente não há nenhuma fórmula para encontrar o equilíbrio certo. Cada situação requer uma mistura diferente de forças aparentemente opostas diametralmente.

Algumas situações exigem que sejamos totalmente assertivos e que nos expressemos exatamente como nos sentimos. Outras exigem que deixemos a situação fluir por si, satisfazendo necessidades e desejos dos outros, e ainda, em algumas situações, necessitamos de uma mistura entre essas duas possibilidades. Cada situação depende da nossa habilidade de visualizá-la objetivamente e ter o discernimento sobre o caminho do meio.

Em meu ponto de vista, o meio termo, o caminho do meio, supõe achar um ponto de silêncio do qual observo todas as marés de influências e opiniões. Desse ponto vejo com clareza o caminho que preciso seguir. A maioria de nós acha a vida um malabarismo constante no qual tentamos cumprir muitas responsabilidades diferentes.

Primeiramente, para nossa família e amigos – a maioria de nós sente os relacionamentos como a prioridade mais alta. Em segundo lugar, nossas responsabilidades com a carreira escolhida. Em terceiro lugar vêm nossos outros interesses, como serviço comunitário, esportes ou nosso próprio divertimento. Negligenciar um deles pode gerar estresse.

O maior estresse não vem do excesso de trabalho, mas da preocupação de estarmos negligenciando uma área de nossa vida. É de conhecimento geral que workaholics (pessoas viciadas em trabalho) brilhantes no seu campo de atuação utilizam esse mesmo trabalho para escapar de áreas de suas vidas que acham difíceis.

Talvez conflitos em casa, ou até mesmo uma falta de autoestima. Ir para um extremo normalmente é sinal de tentar acobertar uma carência em outra área. Parece que buscamos aquilo em que somos bons, mas muito habilmente criamos nossa vida de modo a evitar o que nos desafia ou que achamos difícil.

Um renomado orador público certa vez me disse que tinha muita confiança para enfrentar uma multidão, mas numa conversa face a face se sentia totalmente inadequado e assim evitava esse tipo de contato. O resultado, desequilíbrio! Comecei a praticar meditação quando tinha pouco mais de vinte e um anos.

Um dos benefícios maravilhosos da meditação que descobri era a arte de me ver objetivamente como fazendo parte da audiência que assistia meu próprio desempenho no palco. Assistindo-me, pude ver como estava tentando agradar os outros arduamente, comprometendo constantemente o que realmente eu queria ou necessitava. Era mais importante buscar respeito dos outros que de mim mesmo. Resultado… mais desequilíbrio.

Então, tenho responsabilidades sobre mim mesmo, e o que é isso? Quantos de nós alcançamos um ponto onde a ansiedade faz malabarismos com nossas diversas responsabilidades extremamente alcançadas? É nesse momento que precisamos reavaliar as nossas prioridades. Hugh Mackay, um pesquisador social australiano, descreveu os anos 80 como os “ansiosos anos 80”.

Ele observou que muitas pessoas estavam optando por uma “viagem interna”; uma mudança total de atitude onde uma pessoa começa a olhar internamente para solucionar a ansiedade e o extremismo. Culpar os outros ou as situações é o caminho da ilusão. Assumir a responsabilidade de como se sente é o caminho verdadeiro. Não devemos resistir aos desafios que a vida nos traz e nem subjugá-los.

Mas como encontrarmos nosso ponto de equilíbrio em cada situação?

Precisamos estar totalmente fora da influência, opiniões e até mesmo percepções passadas e adotar a “visão de helicóptero”. Desse ponto, “visto do alto”, podemos ver o quadro inteiro com clareza. Desapego sempre foi a marca dos grandes pensadores, porque apenas quando vemos a situação como um observador desapegado percebemos a verdade real. Caso contrário, nossas emoções, desejos ou apegos cobrem essa clareza de nuvens.

O desapego é muito necessário para encontrar o verdadeiro equilíbrio, mas muitos de nós podemos tender a sentir isso como algo frio e distante. É por isso que o primeiro e principal equilíbrio é amor e desapego. Amor é a maior necessidade. Aqueles que sempre expressam o seu amor com uma motivação pura, sempre se sentem cheios de amor.

Mas, para verdadeiramente estar amando, precisamos de desapego. Quando estamos desapegados, não ficamos irritados ou afetados pelas ações dos outros e assim podemos manter nosso amor.

Nosso amor não é condicional às respostas deles. Não estamos comercializando no “negócio de amor” que diz, “Se você fizer isso, só então você receberá meu amor… isso se chama chantagem emocional”. Algumas vezes temos de mostrar apoio e amor total, mas em outras ocasiões temos de dar um apoio oculto, permitindo que o outro se levante com seus próprios pés.

Aí nosso desapego toma a forma de respeito em que o outro pode realizar sem nossa ajuda. Ser amoroso e desapegado é como uma proteção de diferentes influências e ambientes em que os humores, imperfeições e percepções dos outros não conseguem perturbar nossa clareza.

A prática da meditação nos leva naturalmente para a ‘visão de helicóptero’. De lá você pode ver o quadro completo e se tornar uma pessoa mais equilibrada. Algumas das áreas nas quais você encontrará equilíbrio são:

Análise e Aceitação

Algumas situações requerem análise clara, mas apenas a análise não finaliza o assunto. A mente fica repetindo os eventos uma vez, outra e novamente e ficamos tentando manter nossa objetividade. Mas a aceitação pode clarear os sentimentos subjetivos e nos permitir seguir com nossa vida.

Aceitação não significa negar ou reprimir, mas é uma profunda sabedoria em perceber que nada mais pode ser feito. Tudo o que podemos fazer é para o que quer que tenha acontecido tomar a lição e progredir para o futuro.

Humildade e Autoridade

Quando temos autorrespeito, nossas palavras e ações expressam humildade. Algumas pessoas dizem que admiram a humildade, ainda que sintam que pessoas humildes podem se tornar capachos. Mas a verdadeira humildade indica autoridade e uma força suave. Isso é autoridade sobre si mesmo. Não é uma autoridade que impõe controle sobre os outros.

A pessoa humilde fala com verdade, mas a sua autoridade não vai ferir o coração de outras pessoas. As pessoas vão admirar a dignidade e a autoconfiança de uma pessoa assim. O equilíbrio entre humildade e autoridade sobre si mesmo é a base de um grande líder.

Satisfação e Ambição

Algumas pessoas nunca estão satisfeitas. Não importa o quanto tenham, sempre querem mais. É um tipo canceroso de falta de paz interior que nunca os permite ficar quietos desfrutando o presente. Outros parecem não ter nenhuma motivação para melhorar em qualquer nível. Um dos presentes da prática de meditação está em descobrir uma consciência profunda de nosso eu espiritual e nosso relacionamento com Deus.

Isso diminui a ambição por reconhecimento e cria um sentimento de abundância e satisfação. Porém, até mesmo com essa satisfação interna, pode haver ainda a ambição para melhorar nossas próprias vidas e ajudar os outros. Contudo, essa não é uma ambição que busca a aprovação dos outros, mas vem de um interesse genuíno de benevolência.

Charles Hogg

Veja abaixo vídeos sobre o assunto:

 

A Vida em Equilíbrio – Aprenda Como Equilibrar-se
5 (100%) 2 votos

Leave A Response

* Denotes Required Field